As coisas mudaram agora

A música da banda preferida traz de volta aquela noite em que a noite parecia vestir nossas peles e tudo era novo. O ar morno enluarado iluminava a cama e nossas almas. Fazia o cheiro das árvores invadir o quarto.

Não sorrio.

As coisas mudaram agora. O calor que envolvia o frio que envolvia nossos corpos não existe mais. Ternura é palavra dura mergulhada na aridez da falta.

Não sorrio.

As coisas mudaram agora. Ficar em casa é ruim, sair dela também. As horas duram dias. Os dias. não. passam. Preciso dormir. Preciso dormir. Mas atravessar o travesseiro tem sido difícil.

Não sorrio.

As coisas mudaram agora. Passar pela esquina da sua rua me faz baixar os olhos e não te encontrar. Me faz ver você em todos os passantes de terno e gravata. Sinto o coração dar um salto. Alívio?

Não sorrio.

As coisas mudaram agora. O futuro tem gosto de passado sem gosto. O presente, pretérito imperfeito do futuro. As coisas mudaram agora.

Não, não sorrio.

500-days_00374019

ju.jpgJuliana Borel é aspirante a escritora e poeta. Pra ganhar dinheiro e pagar as contas é jornalista a maior parte da semana. Pra se inspirar gosta de ouvir Guns, trilhas sonoras e esbarrar por aí em pessoas interessantes. Seu blog procurasepoesia.blogspot.com.br é praticamente seu DNA.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s