Achados (Desejos) da Semana

Resolvi separar algumas coisas que encontrei. Meu aniversário está chegando… Fica a dica, amor! rs.

Eu sempre tenho listas (pra vida) e com as coisas que fico namorando não podia ser diferente. Acho ótimo, pois funciona como um estímulo, no caso da listas da vida, e no caso das compras como um filtro mesmo. Dessa forma eu vejo se foi só um impulso ou se realmente eu gostei daquilo pra valer a pena comprar..

• O primeiro foi um copo da Imaginarium. Bati o olho e fiquei com muita vontade de comprar. Coloquei na lista de desejos, pois morri de amores. Ainda não passou! No Botafogo Praia Shopping ele custava R$ 34,90..

copo__34_90.

• A saia midi que eu tanto quero… ❤ Essa é da Vaiôla. Sigo a loja no instagram e piro com todas. A que ganhou meu amor é essa preta da foto. Pena que acaba muito rápido! Eles colocam pra vender e quando vou ver já não tem mais. O preço desse modelo é R$ 125,00..

450xN.

• Estou procurando um scarpin preto e não acho de jeito algum. Acho que por conta da proximidade do verão as lojas estão apostando nos coloridos. Vi essa foto no insta da Aquamar. Vou ver se na loja consigo encontrar o modelo. J.

Aquamar.

• Tem uma peça que eu vejo em todo lugar! Confesso que minha opinião é que o kimono não é para qualquer uma. Já experimentei alguns e detestei todos em mim. Vi esses modelos no instagram da loja Mercado Bossa e pela primeira vez resolvi que queria um. Acho que esse preto com branco da foto é o ideal para alguém que como eu ainda tem receito de usar a peça..

Esse modelo acabou no site da loja, mas acho que custa cerca de R$ 135,00..

Kimono.

• Pra finalizar a lista: canecas (amor eterno por elas) e um prato para bolo. Como amo coisas de decoração sempre fico olhando lojas e sites. Gente, tudo lindo de viver… Ficaria dias escrevendo tudo que eu gostaria de ter.
A caneca custa R$ 30,00(cada) e o prato para bolo R$ 45,00, ambos da Coisas da Doris..

COISAs da doris

bolo

Sobre nós

Você acordou de mau-humor. Mais uma vez. Te dei bom dia e você sequer respondeu. Fico aqui, na cozinha enquanto preparo nosso café da manhã, pensando se tem a ver com o que me contou sobre o trabalho algumas semanas antes. Ou se é outra coisa. Você tem estado arredio ultimamente. Sinto dificuldade para encontrar o caminho que me levava tão fácil ao seu coração.

Sinto falta de nós dois. Daquelas conversas despretensiosas embaixo dos lençóis, nunca concluídas, pois sempre terminávamos fazendo amor. Aliás, tem duas semanas que não nos tocamos além de um beijo de bom dia e outro de boa noite. Por quê?

Engraçado como a convivência roubou algumas coisas nossas. Antes, eu lia seus olhos com a destreza de um cego lendo em braile. Agora, não sei mais o que eles dizem. Eles dizem alguma coisa?

Tenho medo que esteja me traindo ou, pior, que não me ame mais. Não quero parecer uma neurótica, então tenho dormido com as perguntas na garganta e com as dúvidas embaralhando a cabeça.

Te entrego a xícara de café e me aninho ao seu lado no sofá. Demora dois segundos, mas você me olha e sorri. Acho que percebe minha preocupação, porque acaricia meu cabelo e diz desculpa, eu sei que não tenho sido boa companhia.

Tenho medo de concordar e te magoar. Então, balanço a cabeça e digo eu sei que não tem sido fácil no trabalho.

Você diz é, não tem sido fácil no trabalho, mas não tem nada a ver com a gente.

Sugiro que a gente converse sobre isso. Você me encoraja e digo o que tem me incomodado. Quero ouvir de você o que o está deixando assim.

Entendo agora o que minha mãe sempre dizia: os filmes terminam onde a vida começa. Dificilmente ilustram o dia depois do beijo da última cena, quando o casal descobre que para se manter junto é preciso, além de amor, dedicação, paciência e generosidade.

Você parece mais leve depois da nossa conversa. Seu humor melhorou e seu sorriso me convida a voltar pra cama com você e selar nossa paz. Fico feliz, agora que afastei a ideia de que estamos no fim.

Entrelaçada nas tuas pernas e no teu corpo, percebo que o amor é mais do que um sentimento, é um constante trabalhar por nós dois.

Podemos não ter resolvido todos os nossos problemas hoje, mas, sem dúvida, nos amamos um pouco mais agora.

disc

ju1.jpgJuliana Borel é aspirante a escritora e poeta. Pra ganhar dinheiro e pagar as contas é jornalista a maior parte da semana. Pra se inspirar gosta de ouvir Guns, trilhas sonoras e esbarrar por aí em pessoas interessantes. Seu blog procurasepoesia.blogspot.com.br é praticamente seu DNA.

Aos seus pés

Já ouviu falar em Superga? Eu não conhecia a marca até que uma amiga (beijo, Line/Paulline) veio me mostrar.

superga 0

Agora estou aqui querendo um para chamar de meu!  Mas como escolher uma cor e apenas um modelo? rs

superga 1 superga 2 superga 3

Visitei o site da marca e lá eles contam que:

  • A Superga é de 1911
  • É de Turin, na Itália
  • Foram os primeiros a receber solas de borrachas vulcanizadas no mundo

superga 4

Onde encontrar:www.supergabrasil.com.br

Para ficar babando: Instagram: instagram.com/supergabrasil

Imagens: site e instagram da marca

Quando o amor acontece

O poeta Paul Géraldy teve a delicadeza de dizer que “a gente começa a amar por simples curiosidade. Por ter lido num olhar, certa possibilidade”.

Eu não saberia explicar quando a paixão vira amor. Seria como tentar descrever a cor vermelha a um cego. Nem o que faz uma pessoa se apaixonar pela outra. Seria como tentar entender porque uns gostam de rock e outros de música clássica.

Mas uma hora, o amor acontece pra todos. E então, é possível entender porque tem coisas que não se pode explicar.

O conto de hoje é sobre aquele amor que você passa uma vida esperando e aparece quando você menos espera.

Um dia, pra sempre
Pra ler ouvindo: Yes and nothing less | Tiago Iorc
Um dia, você vai esbarrar com ela. Vai sorrir do seu jeito mais sedutor e ser pego de assalto por uma faísca flamejante quando ela sorrir de volta.

Tímida, ela vai desviar o olhar, com medo que você consiga ler em seus olhos o descompasso de seu coração.

Um frisson de um segundo.

E então, seu passatempo preferido será encontrar o que te deixa tão fascinado por ela. Tentar desvendar no brilho de seu olhar, aquele que traiçoeiramente te laçou. Entender por que mesmo quando ela te irrita terrivelmente, você continua querendo vê-la. Por que o futebol de quarta já não é mais tão interessante ou por que estar deitado ao lado dela, só deitado mesmo, é tão melhor do que era com todas as outras.

E por mais que tente, você nunca vai descobrir em qual curva do sorriso dela você se distraiu e se deixou apaixonar.

Um dia, você vai dizer que a ama. Vai fazer juras que nunca imaginou. Vai fazer planos.

Quando se der conta, estará de mãos dadas com ela, caminhando em uma via pública do Rio de Janeiro, vendo nas luzes da cidade milhares de possibilidades. Encontrando na lentidão do trânsito carioca, a oportunidade perfeita de estar com ela por mais alguns minutos.

E, sem resistência, se abrirá. Deixará escorrer segredos entre as conversas, compartilhará sonhos íntimos, se sentirá à vontade para declarar suas vulnerabilidades e medos. Porque o medo maior, aquele de sofrer, de ter seu coração partido, já não existe mais.

Um dia, você flagrará a si mesmo perguntando-se se deve convidá-la para morar com você. Se não é um passo muito grande, se está mesmo preparado. E vai perceber que sim, está. Que se existe alguém com quem você estaria disposto a seguir adiante, não poderia ser com outra além dela.

E vai se ver planejando a maneira ideal de fazer o convite e, pior, nervoso por não saber a resposta.

Um dia, vocês estarão sentados em um banco de madeira, perdidos em algum jardim. Você vai olhar para ela, enquanto ela contempla um pássaro ou uma folha numa árvore, e vai sorrir.

Feliz.

Não por tê-la escolhido, mas por ter sido a escolha dela.

Um dia, o “pra sempre” não vai lhe parecer tolo nem impossível. Porque você terá entendido que a eternidade é todo dia.

Cada dia ao lado dela.

Um dia, quem sabe?, eu esbarre em alguém também.

 

tumblr_ls9jlip2451qhz02lo1_500

 

ju.jpgJuliana Borel é aspirante a escritora e poeta. Pra ganhar dinheiro e pagar as contas é jornalista a maior parte da semana. Pra se inspirar gosta de ouvir Guns, trilhas sonoras e esbarrar por aí em pessoas interessantes. Seu blog procurasepoesia.blogspot.com.br é praticamente seu DNA.